Este peixe merece um homenagem, por isso aqui fica…

Uma jornada de pesca começa muito antes do exercício da pesca em si, começa com todo o ritual de preparativos, desde a observação das condições climatéricas e do mar, a preparação de material, etc…

Esta minha Jornada não começou da melhor maneira, pois não consegui arranjar os iscos que ultimamente me têm dado resultados. Tinha uns Caranguejos oferecidos pelo Ricardo, cujo objetivo era usá-los numa pescaria na Praia da Figueirinha, pescaria esta que foi impedida de se realizar devido à quantidade enorme de algas que corriam ao sabor das correntes características daquela praia (quem a conhece sabe o que digo).

Mas NADA ACONTECE POR ACASO, TUDO TEM UMA RAZÃO DE SER E ACONTECER, lembram-se do tópico da conserva dos caranguejos em que referi que “vestiam” a medida dos meus anzóis?!! 😉

Os caranguejos foram conservados vivos tendo em vista a pesca da noite passada.

A estes juntei mais uns quantos (fêmeas) que comprei e uma dose de Lingueirão fresco, foi apenas o que consegui arranjar.

Apesar de se tratar de Caranguejo, não sendo este o meu preferido (Moura), a minha esperança de fazer um bom peixe foi esmorecendo, mas o VÍCIO, esse, NÃO ESMORECE FACILMENTE, EU TINHA MESMO DE IR.

Para complicar ainda mais, a maré não era a melhor, UI…..SÓ ÁS 5 AM………………….VOU PENAR……MAS NUNCA DESISTIR.

Assim foi, fui-me a “ELAS”, somente a elas…..

Rumei até à praia de Sines (Vasco da Gama) e lancei “as sortes”…..

A maré começou a encher e NADA……. tal como era EXPECTÁVEL, no entanto iam “voando” dois caranguejos, um para longe e outro mais perto e, mais do mesmo………………..NADA.

O lingueirão apenas enganou uma bonita Choupa, todos os outros lançamentos com este voltavam exatamente como iam, O LINGUEIRÃO FICOU DESCARTADO para o resto da jornada.

A maré começa a vazar e após umas duas horas de vazante começo a notar alguma atividade nas canas, as ponteiras tremiam simplesmente….

Mau…..das duas uma, ou o caranguejo estava a gozar comigo ou andava lá “algo” a mordiscar o caranguejo……………SIM……EU CONHEÇO-AS, ERAM ELAS!!!

Os anzóis vinham limpos, apenas sobrava um pouco de caranguejo em toda a extensão do corpo do anzol, parecia que tinha sido retirado de forma cirúrgica!

Fico estupefacto, não consigo mesmo perceber como o fazem com uma bocarra daquelas!!!!

Experimentei iscar de várias formas, com um e dois anzóis, um a correr até mesmo empate duplo fixo, o resultado era exatamente o mesmo, até que decidi fazer um lançamento, esperar meia dúzia de tremidelas de ponteira e recuperar para observar o isco, tal como esperava, as patas eram as primeiras a desaparecer, por isso, nova forma de iscar.

Desta vez o anzol ia “camuflado” no meio das patas do caranguejo com uma pata enfiada a esconder o seu bico, apenas as patas onde se encontrava o anzol refundido ficaram soltas e disponíveis (fica a dica 😉 ), se elas querem patas…………….NÓS DAMOS-LHES PATAS.

O “gatilho” estava pronto a disparar….

Era tempo de comer umas sandes e beber um leitinho de Soja achocolatado porque o estômago já “roncava”.

Estava esta iscada à cerca de cinco minutos dentro de água quando ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ, o carreto fez-me engasgar com o leite de soja achocolatado.

Leite de soja entornado, barba regada com leite e num salto fiquei com a Potenza Prime nas mãos a trabalhar a Burra, finalmente pensei eu, e ainda por cima um peixe bom.

Cabeçada para ali, cabeçada para acolá, e ao fim de algum tempo a bicha já estava de barriga para o ar a cerca de 10 mts da praia quando, num dos seus últimos fôlegos dá uma cabeçada e fiquei sem peso na linha……..FIQUEI SEM PINGA DE SANGUE….

ROGUEI PRAGAS, GRITEI UMAS ASNEIRAS…………FIZ UMA BIRRA DOS DIABOS (AINDA BEM QUE ESTAVA SOZINHO E NINGUÉM ME OUVIU)!!!!

Escusado será dizer que fiquei um bom tempo a olhar para o mar, de cana na mão, a tentar absorver o que acabara de acontecer.

BURRO, ESTÁS PESCAR FINO, E NÃO MUDASTE O ESTRALHO COMO DEVE SER FEITO AO FIM DE UNS LANCES…….MERECES E AGORA APRENDE…..

Percebi que andava ali “material grande”, decidi então meter um fluorocarbono Trabucco 0.23mm e assim foi.

A maré continuou a vazar e deixei de sentir atividade, por isso por volta das 5am fui até à Praia Grande de Porto Covo experimentar uns lançamentos.

Praia Grande de Porto Covo

Como a Potenza Prime não tirou a burra ficou de castigo no carro, a Potenza Legend foi a única que levei para baixo. Cana montada, anzol no caranguejo disfarçado de pata e lá foi ele voar.

Ao fim de 10/15 minutos vejo a cana dobrar ligeiramente e o carreto a fazer apenas….tac….tac…..tac….tac….

Pensei, em muita coisa, uma boa Raia, comuns nesta praia, lixo, mas uns tac….tac mais rápidos fizeram-me suspeitar, ESPERA AÍ ISTO É PEIXE!!!

Sim, um peixe a passear com o caranguejo na boca completamente alheio “À ARMADILHA”….

Levanto-me silenciosamente para o “peixe não me ouvir” 😀 , tiro a cana do suporte muito devagarinho, tiro a folga do fio, de forma subtil e controlada ferro o peixe, ao sentir-se picado lá se “apresentou”, OUTRA BURRA, esta não está para brincadeiras e mete respeito!

A primeira cabeçada foi enorme e arrancou mar adentro, a bobine de Teflon azul rodopiou a uma velocidade incrível….

Muita cabeçada, leva fio, recupero fio, cabeçada, leva fio, recupero fio, cabeçada, cabeçadas e mais cabeçadas, após uns largos minutos a “madame” começa a demonstrar sinais de cansaço, era altura para não me entusiasmar, acalmar, e tentar prever o comportamento do peixe, sem nunca esquecer que tinha um 0,14mm na madre e um 0,23mm no estralho.

Pouco depois, quando a senti nas ondas, as minhas pernas tremiam como nunca, o meu coração parecia não caber no peito, parecia que me ia dar uma coisa.

Aproveitei uma onda maior do set e esta veio mesmo meter-me a Dourada aos pés, agarrei nela meti-a ao meu lado na cadeira e deixei-me ficar, ACREDITEM OU NÃO EU ESTAVA MAL DISPOSTO, TIVE MESMO DE ME ACALMAR, A DESCARGA DE ADRENALINA ERA TAL QUE ME DEIXOU ENJOADO!!! (NÃO ESTOU A BRINCAR)

A olhar para ela enorme e gorda lembrei-me….É O MEU RECORD!

Com lágrimas nos olhos, AGRADECI-LHE PELO LANCE DE PESCA QUE ME HAVIA PROPORCIONADO, SIM ELA FOI UM DIGNO ADVERSÁRIO, QUE MORREU DURANTE O COMBATE, chegou à praia MORTA!

COMO “PREDADOR” QUE SOU (SOMOS) ACIMA DE TUDO DEVEMOS RESPEITO A QUALQUER SER VIVO, SOBRETUDO PARA COM AS NOSSAS “PRESAS”.

Fiquei na praia e esperei para ver o sol nascer, e antes de ir embora tirei uma foto ao meu “CAMPO DE BATALHA”.

Tirar um peixe destes a pescar fino é um sonho realizado, para mim é o que dá mais ênfase à pesca, uma luta mais justa em que o peixe tem uma enorme chance de ganhar, e onde qualquer erro nosso pode deitar tudo a perder.

Assim foi……

Bons Lances Amigos

Sem comentários

Deixar uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anterior Época balnear 2018, varia de praia para praia, consulte aqui
Próximo À mulher do pescador (desportivo)