Introdução à Pesca de Spinning no Mar

A pesca de spinning engloba-se dentro dos tipos de pesca desportiva como uma das modalidades com maior crescimento de praticantes quer seja praticada a partir da costa, de barco ou de kayak.

Esta técnica de pesca consiste na utilização exclusiva de amostras ou iscos artificiais diferenciando-se da pesca de corrico pela não utilização de iscos naturais, sendo a sua prática o lançamento e recolha das amostras, vinis entre outras iscas artificiais que durante a sua recolha lentamente e a diferentes profundidades produzem movimentos de imitação de um peixe pequeno com dificuldades nos seus movimentos por forma a atrair e funcionar como chamariz para serem atacados pelos predadores.

Onde e quando praticar a modalidade de Spinning ?

O Spinning pode ser praticado a partir da costa em praias, rochas, molhos, pontões, barcos e kayaks, sendo uma técnica mais activa e exigente do ponto de vista físico para os pescadores pelo numero de vezes que se tem de lançar e recolher as amostras, mas também por exemplo quando praticada em praias por longas caminhadas até a detecção da presença de predadores mais comum como o robalo e as bailas nas margens da nossa costa.

Desta forma o material a usar deve ser o mais leve possível, mas de construção robusta e de boa qualidade dos seus materiais pois serão sujeitos a centenas de lançamentos e recolhas intensivamente, mas também porque estão sujeitas a fortes lutas com captura de médio e grande porte, mas não esquecer a importância de libertar os pequenos pois serão o grandes de amanhã e estaremos a cumprir com a legislação em vigor.

O Spinning pode ser praticado em qualquer altura do ano, do dia ou de noite, tendo especial atenção para a legislação em vigor na época balnear durante os meses de verão e para as zonas interditas previstas na regulamentação como zonas protegidas, reservas entre outras, pode consultar toda a documentação legislativa aqui

Antes de qualquer jornada de pesca devemos verificar regularmente as condições desejadas para a prática do Spinning para o local que estamos a planear ir pescar. As principais condições a serem validadas são as seguintes:

  • Localização do pesqueiro e acessos;
  • Previsão do estado do Tempo;
  • Previsão do estado do Mar;
  • Previsão das marés;
  • Fases Solunares;

Se as condições forem favoráveis há que aproveitar a ocasião e antecipadamente efectuar a preparação do material de pesca, definir que amostras, vinis levar e que vestuário usar conforme as condições meteorológicas previstas para cada época do ano.

Se possível deverá chegar ao local de pesca ainda com luz de dia e de preferência na baixa-mar, pois poder conhecer e avaliar todas as peculiaridades do pesqueiro pode fazer toda a diferença na escolha do lugar certo onde vamos lançar as nossas amostras, devemos procurar zonas onde haja variação na monotonia dos fundos em especial aquelas onde os predadores podem tirar vantagem enquanto aguardam pelas presas para as poderem perseguir, esses locais podem ser:

  • Baixios rochosos;
  • Pequenos canais de rocha ou areia;
  • Fundões;

Não podemos esquecer que estes tipos de locais não só alteram a morfologia dos fundos, mas também protegem a corrente e como tal podem ser usadas com refugio. Lugares como os canais ou fundões devido ao movimento particular das correntes subaquáticas são “depósitos” de nutrientes no fundo do mar e que atraem muitas espécies de peixes que são o alimento dos predadores.

Que equipamento usar na pesca de Spinning ?

Para a prática do Spinning, necessitamos dos seguintes materiais e utensílios que podem variar também consoante as condições climatéricas, do estado do mar, das condições existentes nos pesqueiros de forma a termos garantias de sucesso.

Assim sendo temos que ter por base os seguintes materiais:

  • CANAS, devem ser leves entre as 160g e as 220g e geralmente de alto teor de carbono, de tamanhos que variam entre os 2,40m e os 3,60m, com uma acção entre os 10g a 30 g ou 15g a 40g que permitam o uso de amostras maiores ou até 60g para amostras com maior gramagem. O conjunto cana/carreto será mais equilibrado sempre que o ponto de equilíbrio se aproxime o mais possível da haste do carreto.
  • CARRETOS, devem ser leves com rolamentos em aço inoxidável e drag micrométrico, o seu tamanho deve ser proporcional à cana e de material não corrosivo, estanque, leve e rápido, complementados com bobines de tamanho 2500 ou 3000 e que posa ser expansível até 4000 de acordo com o contexto de pesca e com um ratio com uma recuperação entre os 75cm e 1m.
  • LINHAS, devem ser finas e de boa qualidade, na bobine do carreto usa-se uma linha de multifilamentos entre 0.14mm e 0.20mm com um índice de abrasão alto e sem elasticidade, que ajudará no manuseamento favorável das amostras  de uma forma mais precisa, tendo um inconveniente a sua visibilidade na água pelo que devemos colocar uma baixada de fluorcarbono com diâmetro entre os 0.35mm e os 0.50mm dependendo do lugar onde estamos a pescar e de comprimento cerca de um metro. Estas duass linhas podem ser unidos por um nó “albright improved” ou por outro tipo de nó ideal para multifilamentos como é o caso do nó FG.
  • AMOSTRAS e VINIS, em dias nublados, é conveniente usar cores brilhantes, enquanto em dias de sol e água limpa, devemos usar cores naturais. À noite, é mais aconselhável o verde branco, amarelo ou fluorescente. Os tipos de amostras mais comuns e usados são os popper, minnow, vinil, zagaias ou colheres que podem ter fateixas e/ou anzóis, é aconselhável ter um conjunto de amostras superficiais, um conjunto de amostras sub-superfície e um conjunto de amostras para aguas mais profundas e um conjunto de vinis com diferentes tamanhos, pesos e cores conforme os locais por onde pescamos.
  • CLIPS, a união do fluorcarbono à amostra deverá ser feita através de um clip, pois este permite uma mudança rápida de amostra, o nó aconselhável para unir o fluorcarbono ao clip será o nó palomar.
  • OUTROS MATERIAIS, Mochila, Bolsa para as amostras, alicate e o grip, corta fio, saco rede para o peixe.
  • VESTUÁRIO, botas, fato de vadear ou de neoprene tipo kayak, blusão tipo kayak, luvas, dedeira.

O bom pescador não deixa nada para a improvisação e é sempre melhor ir bem equipado para o que pode acontecer… se a pesca é nossa paixão devemos ir preparados para uma boa jornada.

E nunca esquecer, Leve sempre consigo algo doce, como uma barra energética ou uma bebida isotónica para evitar desconforto ou queda de açúcar, uma vez que a prática do spinning tem uma exigência física alta durante uma jornada de pesca.

Que Amostra ou Vinis usar na pesca de Spinning ?

Existe uma grande variedade e qualidade de amostras e vinis que podemos usar no mercado, mas acabaremos por usar aqueles que melhores resultados nos deram e mais adequadas para cada zona onde pescamos , mas na realidade existem sempre alguma regras que devemos cumprir tais como o comportamento das amostras e vinis na água, tipo de spinning realizado (ligeiro, barco, kayak, costa), tipo de espécies a serem capturadas, condições climatéricas, correntes de água etc. umas são mais recomendadas que outras, uma vez que o spinning pode ser praticado tanto em água doce como no mar… então nem todas as amostras e vinis  podem ser usados da mesma maneira.

As iscas artificiais mais comuns são:

  • Amostras Pequenas
  • Amostras Afundantes
  • Amostras Flutuantes
  • Amostras de Superfície
  • Poppers
  • Colheres
  • Vinis
  • Pingalim
  • Zagaias

Uma jornada de spinning e a segurança do pescador?

A pesca de spinning comporta uma série de conhecimentos técnicos necessários ao seu sucesso, mas acima de tudo um bom conhecimento do mar e dos locais de pesca onde praticamos esta modalidade, locais esses que podem apresentar perigos escondidos de diferentes formas uma vez que as marés não são todas iguais e por vezes escodem correntes mais forte e ondulações surpreendentes pois as condições no mar junto á costa podem mudar em escassos minutos.

Este tipo de pesca com o equipamento correto pode ser feito entrando pela água dentro em praias que  por vezes têm declives acentuados ou em zonas de rocha onde a rebentação bate ou a ondulação passa, por isso todos os cuidados são poucos, a observação dos locais em períodos diurnos e em marés baixas podem ajudar em situações de pesca noturna através da memorização dos locais de perigo escondidos, mas esteja sempre atento e com uma plano de saída para sua segurança, a segurança no mar começa sempre em terra, pois nenhum peixe vale uma vida, não abuse da confiança ou da experiência que tenha, o mar é uma força da natureza!

A todos desejamos boas jornadas de pesca desfrutando desta modalidade de pesca e tudo o que ela proporciona de bom no seu meio ambiente natural, algumas das matérias serão alvo de artigos mais desenvolvidos e específicos por áreas ou materiais.

Sugerimos dois excelentes vídeos para poder desfrutar deste tipo de pesca de forma cómoda: